Tags

, ,

Nossa economia evoluiu e os indicativos de poder também. Antigamente, o maior indicativo de poder era o número e tamanho de terras – estamos falando da economia agrícola. Logo após, a Economia Industrial substituiu o mandato agrícola e regeu o comando. Hoje, mesmo ainda com traços da era industrial, quem domina o poder é a Economia do Conhecimento, ou seja, quem investe em conhecimento e informação estará sempre um passo a frente dos demais.

Com a Era do conhecimento surgiram os trabalhadores do conhecimento, ou Knowledge Worker, como também são conhecidos. Além da incessante busca por novas informações e fontes de aprendizagem, esses profissionais têm como características a capacidade de acompanhar a evolução das tecnologias, a informação e o desenvolvimento de novos modelos de negócio. A criatividade e o empreendedorismo também são pontos fortes e notáveis dos trabalhadores do conhecimento, além de serem qualificados e determinados para solucionar e encarar desafios futuros.

Knowledge Worker

Para ser um Knowledge Worker não basta mais ter apenas o know-how, é necessário preencher uma série de habilidades que se enquadram no perfil desse profissional diferenciado. Elencarei algumas habilidades técnicas, cognitivas e emocionais que um trabalhador do conhecimento apresenta em seu perfil:

COMUNICAÇÃO

Como já dizia o Velho Guerreiro “quem não comunica se estrumbica”. Pois bem, se naquela época essa expressão já fazia todo o sentido, imagine nos dias de hoje que a comunicação é o elo e a chave para todo e qualquer relacionamento? Com as redes sociais, ferramentas de comunicação organizacional, vídeo conferências, reuniões e apresentação totalmente expositivas, saber comunicar-se de maneira assertiva e adequada para cada tipo de situação é um grande diferencial e uma das habilidades essenciais para o trabalhador do conhecimento.

DOMÍNIO EM OUTRO IDIOMA

Hoje, fronteiras entre países só existem geograficamente. É inevitável desconsiderar a pluralidade de profissionais e etnias no crescimento dos negócios. O trabalhador do conhecimento deve no mínimo ter fluência em outro idioma. Quando falamos desse profissional, a comunicação não deve ser quebrada e muito menos impedida por falta de compreensão e, se tratando de um mundo amplamente global, no mínimo o idioma universal deve fazer parte de seu currículo de habilidades e capacitações.

TECNOLOGIAS

À medida que esses profissionais tenham facilidade para trabalhar com diferentes tecnologias em sua rotina de trabalho, a organização e delegação de tarefas ficarão mais claras e poderá economizar tempo em sua execução. Sem contar na operação de novos softwares que poderão auxiliar no andamento do trabalho.

MULTIDISCIPLINARIDADE

Um trabalhador do conhecimento não deve atentar-se apenas no que diz respeito a sua área de atuação. A capacitação deve ocorrer por diversas áreas. Noções de administração, logística, gestão de pessoas, direito, entre outras áreas mais, estão presentes no dia a dia de boa parte dos profissionais. Então por que não se aprofundar um pouco mais em outras disciplinas? Certifico-te que será uma experiência riquíssima.

SER CRIATIVO, INDEPENDENTE E INOVADOR

De profissionais “mais dos mesmos” o mercado está cheio. A criatividade e inovação estão sendo pregadas há algum tempo, mas será mesmo que é fácil tornar-se inovador de um dia para o outro? Não ter medo de pensar e agir diferentemente da massa e caminhar com as próprias pernas é ter firmeza e confiança de seus propósitos, é acreditar em sua ideias e fazê-las saírem do papel de maneira exemplar.

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

A inteligência emocional é a capacidade para reconhecer nossos próprios sentimentos além de reconhecer os sentimentos dos outros, a fim de nos motivar e administrar as nossas emoções em nossos relacionamentos. A inteligência emocional é fundamental para entender a nós mesmos e aos que estão ao nosso redor.

AUTOCONTROLE

Outra característica essencial do trabalhador do conhecimento é o autocontrole. Sem o autocontrole qualquer pessoa fica dependente dos altos e baixos de seus desejos, paixões e emoções que demandam satisfação imediata. Norbet Elias, em seu livro Technization e Civilization de 1995, diz ainda que sem o autocontrole uma pessoa é como uma criança, que ainda não é capaz de controlar seus desejos e paixões e consequentemente incapaz de conviver com outros seres humanos.

TRABALHO EM EQUIPE

Muito tem se falado sobre a importância que as empresas estão dando para os profissionais que saibam trabalhar em equipe. O individualismo ficou para trás e seu reinado ficou na era industrial. Na era do conhecimento pro atividade e compartilhar informações é somar conhecimento. O Knowledge Worker, além de ser movido pela sede de aprender, trabalha muito bem dividindo suas experiências para somar em um resultado em comum.

Além das habilidades que citei a cima e dezenas de habilidades mais,o Knowledge Worker é capaz de converter informações em conhecimento, tendo como o aspecto principal de seu trabalho a criação de novos conhecimentos e compartilhá-los com o restante da equipe, criando um produto final visando vantagens para a empresa e seu desempenho profissional

http://www.ideiademarketing.com.br/2012/10/15/knowledge-worker-o-profissional-da-nova-era/

rodape_email.jpg